quinta-feira, 29 de novembro de 2012

História



Quem inventou o submarino?

Cornelius Jacobszoon Drebbel (Alkmaar,Holanda 1572Londres, 7 de novembro de 1633) foi o inventor do primeiro submarino navegável.
Drebbel Foi um famoso inventor, gravador e vidraceiro holandês nascido em Alkmaar, inventou um termostato para controle da temperatura de um forno e construiu o primeiro submarino navegável. Como muitos cientistas daquela época, embora muito dos seus conhecimentos fossem baseados apenas na experiência e não no estudo, possuía um conhecimento considerável de química e de diferentes campos de filosofia natural. No reinado de Jaime I (1566-1625), Rei da Inglaterra de 1603 há 1625, Drebbel estabeleceu-se em Londres em 1604 e tornou-se empregado da corte. Em Londres ficou famoso por outras descobertas científicas, além de fazer melhoramentos em microscópios e telescópios. Então Drebbel construiu o primeiro submarino, um presente para o seu patrão, o rei Jaime I. Em um barco á remo Drebbel envolveu firmemente couro à prova d'água, com tubos de ar ligados a flutuadores, para mantê-lo em contato com a superfície e captar oxigênio. Como não havia motores na época, remos foram conectados ao casco e envolvidos na união com luvas de couro, que faziam a vedação. A primeira viagem foi feita no rio Tâmisa com 12 remadores e o submarino ficou submerso durante três horas. Recentemente um grupo de invetores da BBC fez uma réplica do submarino de Drebbel. Drebbel morreu em Londres dez anos depois (1634).
Em 1776 o americano David Bushnell construiu um submarino com capacidade para uma pessoa: o "submarino tartaruga". Este foi o primeiro submarino usado em combate naval pelos militares da colônia americana contra os ingleses, embora sem sucesso. Em 1798 Robert Fulton constrói o Nautilus, com duas formas de propulsão: velas quando na superfície, e uma espécie de manivela helicoidal acionada manualmente, quando submerso. John Holland introduz o submarino Holland VII e posteriormente em 1900 o Holland VIII dotado de propulsão a motor à petróleo quando na superfície e de motor elétrico quando submerso. Em 1900 Holland vendeu a Marinha americana seu primeiro submarino viável o USS Holland (SS-1), dotado de torpedo.
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Registro

É com muita alegria que registro o aniversário de Antonio Danilo.
Ele é filho do casal Antonio e Maria.
Seus pais e o irmão Álvaro Vinícius e todos da família desejam Tudo de Bom.
Que Deus o acompanhe sempre em seu caminho.
FELICIDADES!
PARABENS!
                                                      Danilo
Por: Antonio Barboza

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

História



A HISTÓRIA DO TELESCÓPIO
 
        Quem inventou o telescópio? Três nomes disputam essa glória: Galileo Galilei (cientista); Hans Lipperhey (óptico) e Sacharias Janssen (produtor de espetáculos).
Com toda certeza Galileo não foi o verdadeiro inventor; nem foi o primeiro a apontar esse instrumento para os astros. O que Galileo fez foi, em 1609, construir telescópios muito melhores do que os que até então existiam; com capacidades suficientes para ver detalhes dos astros incapazes de serem vistos pelos demais aparelhos, já conhecidos em grande parte da Europa. O que Galileo viu, com os telescópios construídos por ele, confirmou a teoria heliocêntrica. Em 1609, o matemático e astrônomo italiano Galileu soube da invenção de um holandês que permitia ver objetos distantes como se estivessem próximos. Baseado nesta invenção, Galileu construiu seu próprio instrumento e, com ele, fez surpreendentes descobertas. Em outubro de 1609, Galileu fabricou um telescópio de aumento 20x.  Ele descobriu que o planeta Vênus passa por fases, assim como a Lua, que a Via Lactea é formada por estrelas, as manchas solares que a Lua tem um relevo irregular formado por crateras, montanhas, vales e fendas. Enfim, os céus não eram perfeitos como dizia a visão aristotélica amplamente aceita até então. Pitágoras, no século VI A.C., Platão, Ptolomeu assumiram que o Sol, a Lua,  os outros planetas e as estrelas, giravam em torno da Terra em círculos perfeitos. Para eles, tudo que havia no céu era perfeito, divino. Já o que estivesse abaixo da Lua seria imperfeito, corrompido. Mas quando Galileu descobriu quatro astros girando em torno de Júpiter, provou que a Terra não estava no centro e que haviam corpos que giravam em torno de outros astros. Esses quatro astros são as quatro maiores luas de Júpiter, hoje chamadas de "luas galileanas".  Em 25 de agosto de 1609, Galileu fez uma demonstração de seu primeiro telescópio para legisladores de Veneza. Esta foi a primeira atividade de divulgação astronômica de que se tem notícia, e o primeiro uso do telescópio bem documentado para astronomia. Um outro astrônomo, um alemão nascido em 1571, também começava a contestar as idéias do geocentrismo. Seu nome era Johanes Kepler. Baseado em observações anteriores à invenção do telescópio, feitas por um astrônomo dinamarquês, Tycho Brahe,  e nas idéias heliocêntricas de Copérnico de que o Sol estaria no centro do Universo,  Kepler percebeu que não poderia explicar o movimento dos planetas pelo sistema Geocêntrico. Kepler formulou três leis que explicavam muito bem o movimento dos planetas. As leis diziam que os planetas giram ao redor do Sol em uma órbita elíptica, com o Sol em um dos focos;  que os planetas 'varrem' áreas iguais em tempos iguais e que suas velocidade orbitais são proporcionais às suas distancias ao Sol. Kepler descreveu a terceira lei no livro "Harmonices Mundii" (A Harmonia dos Mundos). Quando soube do uso do telescópio por Galileu, Kepler ficou tão entusiasmado que pediu a Galileu que lhe emprestasse o instrumento, o que foi negado. Kepler, então, fabricou seu próprio telescópio (o telescópio "Kepleriano"), com duas lentes convexas, ainda melhor que o de Galileu.
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

sábado, 24 de novembro de 2012

Registro



Vestibular da UFRN começa neste domingo (25-11-12)
Comperve faz recomendações
Por Marcela Cavalcanti, do DN Online
 Tudo pronto para a realização do último vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mais de 28.600 irão concorrer a 3.015 vagas, distribuídas em 84 cursos. A partir do próximo ano, as vagas serão preenchidas através das médias obtidas pelo aluno no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)/Sisu.
As provas serão realizadas de domingo (25) a terça-feira (27) em Natal, Caicó, Currais Novos, Santa Cruz e Mossoró. As provas terão a duração de 4h30, exceto para os candidatos com necessidades especiais, que terão 5h30 para a realização de suas provas.
Os candidatos terão acesso aos locais de provas a partir das 7h20, onde os portões ficarão abertos até às 8h. Após esse horário não será permitida a entrada de nenhum candidato. Para a presidente da Comissão Permanente do Vestibular (Comperve), Magda Pinheiro, os candidatos devem ficar atentos a essa informação para evitar que sejam desclassificados."Recomendo que no dia anterior a prova, o candidato vá até o local para saber onde fará a prova e quanto tempo leva para chegar até lá. Existem muitos prédios no campus da UFRN. No dia da prova é importante chegar com antecedência. O ideal é que estava no prédio pelo menos 30 minutos antes do fechamento dos portões", disse. Magda Pinheiro destacou que para ter acesso ao local de prova, os candidatos devem apresentar um dos documentos de identificação que constam no edital do concurso, como as carteiras de motorista, de trabalho, de identidade ou militar. "É importante lembrar que carteira de estudante não é documento válido. Também não será aceita a cópia de documento com foto, mesmo que esteja autenticada", disse.
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Registro



Ídolo do Futsal na República Tcheca
È o potiguar Cacau
                                                Antonio e Cacau
                             Serginho, Antonio, Micharle e Cacau
Depois de rodar o mundo conquistando títulos e admiradores, um dos maiores craques que o futsal potiguar já revelou esteve recentemente no Rio Grande do Norte passando férias. Ricardo Câmara Sobral, o Cacau, aproveitou para curtir o aconchego da família e o carinho dos amigos, além das praias do litoral potiguar. Atualmente, Cacau é “rei” no Era-Pack, da República Tcheca. Além de jogador, é técnico e manager, uma espécie de gerente do clube.
Cacau nasceu em 1971, em Ceará-Mirim, na região metropolitana de Natal. O pai, “seu” Gilberto Sobral, caminhoneiro, transportava agave e, durante as longas e cansativas viagens, sob o sol escaldante do Nordeste brasileiro, remediava as inevitáveis rachaduras nos lábios com manteiga de cacau. Um certo dia, ao abrir a geladeira de casa, o pequeno Ricardo deu de cara com uma barra daquele produto. Pensando ser chocolate, o moleque não fez cerimônia: “traçou” tudo. A confusão foi formada quando “seu” Gilberto procurou o cacau e não encontrou. Nesse mesmo dia, Ricardo virou Cacau, para o bem do nosso futsal. Convenhamos, ele não teria o mesmo sucesso sendo chamado de Ricardo Câmara, ou mesmo Ricardo Sobral. Assim como Pelé não seria Pelé se fosse Edson Nascimento, não é mesmo? Ricardos existem aos montes por aí, mas Cacau só existe um. Só Cacau é Cacau. Para Cacau tudo começou aos 12 anos, na escolinha do Serrinha, em Ceará-Mirim. - Eu era muito novo na época do Serrinha, mas tive a oportunidade de aprender bastante. A gente jogava com ABC e América lá em Ceará-Mirim e não perdia nunca.
25 anos de carreira
Aos 15 anos o garoto já atuava pela AABB de Natal.
- Eu também tentei jogar futebol de campo, e até cheguei a ser campeão juvenil pelo América, em 1988. Daí eu passei a treinar com a equipe júnior, e já estava prestes a assinar com o time profissional. Mas desisti, porque o futebol de campo do América pagava muito pouco, e o futebol de salão se mostrou mais rentável para mim.
Veterano, Cacau tem um currículo extenso, e atuou pelo Bandern-RN, Votorantim-PE, Perdigão-RS, Super G Dênia (Espanha), Bizontes De Castelleon (Espanha), Ulbra-RS, Tio Sam-RJ, Vasco da Gama, Playas de Castelleon (Espanha), Cartagenna (Espanha), Muebles Calloto (Espanha), Spartak Moscou (Rússia), Foz do Iguaçu-PR, Fluminense-RJ, Atlético-MG, Malwee Jaraguá-SC, Confiança-SE, ABC de Natal-RN, América de Natal-RN, Kairat Almaty (Cazaquistão) e Era-Pack (República Tcheca), além de passagens pela seleção brasileira entre 1998 e 1999. No Atlético-MG, o craque Falcão foi reserva de Cacau.
Cacau é um atleta muito querido e tem muitos amigos e admiradores na cidade de João Câmara. Ele também já atuou pela AABB de João Câmara-RN, tendo como técnico o amigo Antonio Merica.
FONTE:GLOBOESPORTE.com.br
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

História



 História da Capoeira 


Raízes africanas 
A história da capoeira começa no século XVI, na época em que o Brasil era colônia de Portugal. A mão-de-obra escrava africana foi muito utilizada no Brasil, principalmente nos engenhos (fazendas produtoras de açúcar) do nordeste brasileiro. Muitos destes escravos vinham da região de Angola, também colônia portuguesa. Os angolanos, na África, faziam muitas danças ao som de músicas. 
No Brasil 
Ao chegarem ao Brasil, os africanos perceberam a necessidade de desenvolver formas de proteção contra a violência e repressão dos colonizadores brasileiros. Eram constantemente alvos de práticas violentas e castigos dos senhores de engenho. Quando fugiam das fazendas, eram perseguidos pelos capitães-do-mato, que tinham uma maneira de captura muito violenta. Os senhores de engenho proibiam os escravos de praticar qualquer tipo de luta. Logo, os escravos utilizaram o ritmo e os movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Surgia assim a capoeira, uma arte marcial disfarçada de dança. Foi um instrumento importante da resistência cultural e física dos escravos brasileiros. A prática da capoeira ocorria em terreiros próximos às senzalas (galpões que serviam de dormitório para os escravos) e tinha como funções principais à manutenção da cultura, o alívio do estresse do trabalho e a manutenção da saúde física. Muitas vezes, as lutas ocorriam em campos com pequenos arbustos, chamados na época de capoeira ou capoeirão. Do nome deste lugar surgiu o nome desta luta. Até o ano de 1930, a prática da capoeira ficou proibida no Brasil, pois era vista como uma prática violenta e subversiva. A polícia recebia orientações para prender os capoeiristas que praticavam esta luta. Em 1930, um importante capoeirista brasileiro, mestre Bimba, apresentou a luta para o então presidente Getúlio Vargas. O presidente gostou tanto desta arte que a transformou em esporte nacional brasileiro. 
Três estilos da capoeira 
A capoeira possui três estilos que se diferenciam nos movimentos e no ritmo musical de acompanhamento. O estilo mais antigo, criado na época da escravidão, é a capoeira angola. As principais características deste estilo são: ritmo musical lento, golpes jogados mais baixos (próximos ao solo) e muita malícia. O estilo regional caracteriza-se pela mistura da malícia da capoeira angola com o jogo rápido de movimentos, ao som do berimbau. Os golpes são rápidos e secos, sendo que as acrobacias não são utilizadas. Já o terceiro tipo de capoeira é o contemporâneo, que une um pouco dos dois primeiros estilos. Este último estilo de capoeira é o mais praticado na atualidade.
Org. e Pesq.: antonio Barboza