terça-feira, 31 de julho de 2012

Você Sabia?


1º de Agosto · Dia Nacional do Selo

No dia 1º de agosto comemora-se o dia da emissão do primeiro selo postal brasileiro, que entrou em circulação já a partir dessa data. A partir de uma ideia de D. Pedro II, o  fato colocou o Brasil como o segundo país do mundo a trabalhar com a emissão de selos postais, perdendo apenas para a Inglaterra, a pioneira na criação, que emitiu o “Penny Black” em 1840. O primeiro modelo brasileiro foi chamado de “Olho-de-Boi”, sendo distribuído no ano de 1843, recebendo esse nome devido à semelhança ao olho do animal. Logo após, surgiram mais três modelos: “Inclinado”, no ano de 1844; “Olho-de-Cabra”, em 1850; e o “Olho-de-Gato”, em 1854; todos com o valor de 30, 60 e 90 réis. O surgimento dos selos se deu em razão da evolução da humanidade, quando as pessoas passaram a obter algum tipo de formação, se interessando pela escola, passando a se comunicar através das cartas. Com isso, surgiu a necessidade de se estabelecer as primeiras tarifas postais, de como essas cartas seriam enviadas aos seus destinatários, diferenciando-as através da distância, do tamanho e de seu peso.
O Brasil foi o primeiro país a lançar um modelo de selo postal em braile, a escrita dos deficientes visuais, que é feita através de pontos em alto relevo. Em 1989 o Brasil lançou um modelo tridimensional, conhecido como holográfico, tornando-se o segundo país a distribuir um exemplar mais criativo e melhor elaborado. Aos poucos, os modelos criados foram se tornando tão interessantes e valiosos que as pessoas passaram a colecioná-los, principalmente os mais raros, ficando reconhecidos como filatelistas. O ato de colecionar selos se tornou tão atraente que foram criados álbuns específicos para o armazenamento e conservação dos mesmos, sendo que o arsenal brasileiro pode ser encontrado nas agências dos correios. Os selos são de grande importância para uma nação, pois retratam parte da história do país, os principais fatos acontecidos; campanhas sociais, artísticas e culturais; tipos de profissões; espécies da flora e da fauna do Brasil e de seus espaços geográficos; homenageiam artistas e pessoas respeitáveis; dentre outros fatos importantes. Segundo informações dos Correios, os selos brasileiros já conquistaram vários prêmios internacionais, como o São Gabriel (padroeiro dos correios), e de melhor selo estrangeiro, o Piracema, no ano de 2006.
Hoje em dia, em consequência das facilidades do mundo virtual, os selos estão esquecidos, pois a população se comunica através da internet. Mesmo assim, é muito interessante que crianças e jovens experimentem outros meios de comunicação, a fim de tornarem-se aptos a utilizar esses recursos. Além disso, visitar uma agência dos correios para ver o acervo do país será um passeio bem interessante para os mesmos.
    Fonte:  www.brasilescola.com
Org. e Pesq.: Antonio Barboza        

segunda-feira, 30 de julho de 2012

História


Invenção da Caneta Esferográfica 

                                                     László Bíró
O jornalista húngaro László Bíró inventou a primeira caneta esferográfica, na década de 1930. Ele havia percebido que o tipo de tinta utilizada na impressão de jornais secava rapidamente, deixando o papel seco e livre de borrões. Imaginou então criar uma caneta utilizando o mesmo tipo de tinta. Entretanto, a tinta, espessa, não fluia de maneira regular e ele teve de projetar um novo tipo de ponta para a sua caneta. Conseguiu-o através da montagem de uma pequena esfera nessa ponta. A inovação era prática: enquanto a caneta corria pelo documento, a esfera girava no interior do bico, coletando a tinta do cartucho e depositando-a sobre o papel; complementarmente vedava o reservatório, impedido que a tinta secasse (provocando entupimento da caneta) ou vazasse. Laszlo Biro e seu irmão Georg (um químico), entraram com um pedido de patente da sua caneta esferográfica em seu país natal, a Hungria, na França e na Suíça em 1938. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, para fugir às perseguições nazistas em seu país, Laszlo e Georg tiveram que deixar a Hungria e receberam a patente em Paris. Tendo Laszlo encontrado-se, ainda em 1938, com um Argentino na Iugoslávia, tendo este ficado impressionado com a invenção, convidou-o a radicar-se naquele país sul-americano. Quando instado, o estranho apresentou-se como Agustín Pedro Justo, Presidente da Argentina. Recém chegados ao país com a ajuda de um amigo chamado Meyne, os irmãos fundaram a companhia "Biro y Meyne" em 10 de Junho de 1940, requerendo uma patente argentina em 10 de junho de 1943.
Fonte: http://cult.nucleo.inf.br
Org. e Pesq.: Antonio Baboza

sábado, 28 de julho de 2012

História - Olimpiadas

Londres 2012

    A cada quatro anos, atletas de centenas de países se reúnem num país sede para disputarem um conjunto de modalidades esportivas. A própria bandeira olímpica representa essa união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados, representando os cinco continentes e suas cores. A paz, a amizade e o bom relacionamento entre os povos e o espírito olímpico são os princípios dos jogos olímpicos.
Origem dos Jogos Olímpicos
Foram os gregos que criaram os Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C., os gregos já faziam homenagens aos deuses, principalmente Zeus, com realização de competições. Porém, foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos, de forma organizada e com participação de atletas de várias cidades-estado. 
Atletas das cidades-estados gregas se reuniam na cidade de Olímpia para disputarem diversas competições esportivas: atletismo, luta, boxe, corrida de cavalo e pentatlo (luta, corrida, salto em distância, arremesso de dardo e de disco). Os vencedores eram recebidos como heróis em suas cidades e ganhavam uma coroa de louros.
Além da religiosidade, os gregos buscavam através dos Jogos Olímpicos a paz e a harmonia entre as cidades que compunham a civilização grega. Mostra também a importância que os gregos davam aos esportes e a manutenção de um corpo saudável.
No ano de 392 d.C., os Jogos Olímpicos e quaisquer manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após converter-se para o cristianismo.
Jogos Olímpicos da Era Moderna
No ano 1896, os Jogos Olímpicos são retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin. Nesta primeira Olimpíada da Era Moderna, participam 285 atletas de 13 países, disputando provas de atletismo, esgrima, luta livre, ginástica, halterofilismo, ciclismo, natação e tênis. Os vencedores das provas foram premiados com medalhas de ouro e um ramo de oliveira.
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Registro - Atletismo

O atleta mais rápido do mundo.
                                                    Usain Bolt
       Usain Bolt é um velocista  jamaicano, nasceu em 21 de agosto de 1986, e desde criança apresentava estilo despojado , tranquilo e extrovertido. Filho de Wellerley Bolt e Jennifer Bolt. No primário, foi campeão de críquete, e no colégio chamou a atenção do técnico de seu time, William Knibb, pelas suas arrancadas.  Knibb o incentivou a deixar o críquete e ingressar no atletismo, sendo treinado por Pablo McNeil e Dwayne Barrett. Aos quinze anos conquistou a medalha de ouro e duas de prata no Campeonato Mundial de Atletismo, realizado na capital de seu país,  e passou a conquistar diversos títulos em competições no Caribe. A partir de 2004, passou a se profissionalizar ainda mais, sendo treinado por Flitz Colerman. Nas Olimpíadas de Atenas, em virtude de uma lesão na perna, não pode ir adiante. Posteriormente, recusando convites dos EUA e do Canadá, continuou a treinar na Jamaica, na Universidade de Tecnologia. Desde então passou a ser treinado por Glen Mills, e sofrendo nova contusão, Bolt não pôde participar do Mundial de Helsinki, na Finlândia. Em 2007, em melhor forma, começou a incomodar conquistando medalha de ouro nos 100 metros rasos do 23º encontro de Vardinoyiannia. Em 2008 e 2009, tornou-se campeão olímpico em Pequim, e Mundial em Berlim. É recordista mundial nos 100 e 200 metros e no revezamento 4 X 100.
Fonte:  www.infoescola.com
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

quarta-feira, 25 de julho de 2012

História

Machado de Assis
                              Machado de Assis
                                   Morro_do_Livramento, onde Machado nasceu
Joaquim Maria Machado de Assis, cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 21 de junho de 1839. Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua, perde a mãe muito cedo e é criado pela madrasta, Maria Inês, também mulata, que se dedica ao menino e o matricula na escola pública, única que freqüentará o autodidata Machado de Assis. De saúde frágil, epilético, gago, sabe-se pouco de sua infância e início da juventude. Criado no morro do Livramento, consta que ajudava a missa na igreja da Lampadosa. Com a morte do pai, em 1851, Maria Inês, à época morando em São Cristóvão, emprega-se como doceira num colégio do bairro, e Machadinho, como era chamado, torna-se vendedor de doces. No colégio tem contato com professores e alunos e é até provável que assistisse às aulas nas ocasiões em que não estava trabalhando. Mesmo sem ter acesso a cursos regulares, empenhou-se em aprender.  Consta que, em São Cristóvão, conheceu uma senhora francesa, proprietária de uma padaria, cujo forneiro lhe deu as primeiras lições de Francês. Contava, também, com a proteção da madrinha D. Maria José de Mendonça Barroso, viúva do Brigadeiro e Senador do Império Bento Barroso Pereira, proprietária da Quinta do Livramento, onde foram agregados seus pais. Aos 16 anos, publica em 12-01-1855 seu primeiro trabalho literário, o poema "Ela", na revista Marmota Fluminense, de Francisco de Paula Brito. A Livraria Paula Brito acolhia novos talentos da época, tendo publicado o citado poema e feito de Machado de Assis seu colaborador efetivo. Com 17 anos, consegue emprego como aprendiz de tipógrafo na Imprensa Nacional, e começa a escrever durante o tempo livre.  Conhece o então diretor do órgão, Manuel Antônio de Almeida, autor de Memórias de um sargento de milícias, que se torna seu protetor. Em 1858 volta à Livraria Paula Brito, como revisor e colaborador da Marmota, e ali integra-se à sociedade lítero-humorística Petalógica, fundada por Paula Brito. Lá constrói o seu círculo de amigos, do qual faziam parte Joaquim Manoel de Macedo, Manoel Antônio de Almeida, José de Alencar e Gonçalves Dias. Começa a publicar obras românticas e, em 1859, era revisor e colaborava com o jornal Correio Mercantil. Em 1860, a convite de Quintino Bocaiúva, passa a fazer parte da redação do jornal Diário do Rio de Janeiro. Além desse, escrevia também para a revista O Espelho (como crítico teatral, inicialmente), A Semana Ilustrada(onde, além do nome, usava o pseudônimo de Dr. Semana) e Jornal das Famílias. Seu primeiro livro foi impresso em 1861, com o título Queda que as mulheres têm para os tolos, onde aparece como tradutor.  No ano de 1862 era censor teatral, cargo que não rendia qualquer remuneração, mas o possibilitava a ter acesso livre aos teatros. Nessa época, passa a colaborar em O Futuro, órgão sob a direção do irmão de sua futura esposa, Faustino Xavier de Novais. Publica seu primeiro livro de poesias em 1864, sob o título de Crisálidas. Em 1867, é nomeado ajudante do diretor de publicação do Diário Oficial. Agosto de 1869 marca a data da morte de seu amigo Faustino Xavier de Novais, e, menos de três meses depois, em 12 de novembro de 1869, casa-se com Carolina Augusta Xavier de Novais. Nessa época, o escritor era um típico homem de letras brasileiro bem sucedido, confortavelmente amparado por um cargo público e por um  casamento feliz que durou 35 anos. D. Carolina, mulher culta, apresenta Machado aos clássicos portugueses e a vários autores da língua inglesa. Sua união foi feliz, mas sem filhos. A morte de sua esposa, em 1904, é uma sentida perda, tendo o marido dedicado à falecida o soneto Carolina, que a celebrizou. Seu primeiro romance, Ressurreição, foi publicado em 1872.  Com a nomeação para o cargo de primeiro oficial da Secretaria de Estado do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, estabiliza-se na carreira burocrática que seria o seu principal meio de subsistência durante toda sua vida. No O Globo de então (1874), jornal de Quintino Bocaiúva, começa a publicar em folhetins o romance A mão e a luva. Escreveu crônicas, contos, poesias e romances para as revistas O Cruzeiro, A Estação e Revista Brasileira. Sua primeira peça teatral é encenada no Imperial Teatro Dom Pedro II em junho de 1880, escrita especialmente para a comemoração do tricentenário de Camões, em festividades programadas pelo Real Gabinete Português de Leitura. Na Gazeta de Notícias, no período de 1881 a 1897, publica aquelas que foram consideradas suas melhores crônicas.
Em 1881, com a posse como ministro interino da Agricultura, Comércio Obras Públicas do poeta Pedro Luís Pereira de Sousa, Machado assume o cargo de oficial de gabinete. Publica, nesse ano, um livro extremamente original , pouco convencional para o estilo da época: Memórias Póstumas de Brás Cubas -- que foi considerado, juntamente com O Mulato, de Aluísio de Azevedo, o marco do realismo na literatura brasileira. Extraordinário contista, publica Papéis Avulsos em 1882, Histórias sem data (1884), Vária Histórias (1896), Páginas Recolhidas (1889), e Relíquias da casa velha (1906). Torna-se diretor da Diretoria do Comércio no Ministério em que servia, no ano de 1889. Grande amigo do escritor paraense José Veríssimo, que dirigia a Revista Brasileira, em sua redação promoviam reuniões os intelectuais que se identificaram com a idéia de Lúcio de Mendonça de criar uma Academia Brasileira de Letras. Machado desde o princípio apoiou a idéia e compareceu às reuniões preparatórias e, no dia 28 de janeiro de 1897, quando se instalou a Academia, foi eleito presidente da instituição, cargo que ocupou até sua morte, ocorrida no Rio de Janeiro em 29 de setembro de 1908. Sua oração fúnebre foi proferida pelo acadêmico Rui Barbosa. É o fundador da cadeira nº. 23, e escolheu o nome de José de Alencar, seu grande amigo, para ser seu patrono. Por sua importância, a Academia Brasileira de Letras passou a ser chamada de Casa de Machado de Assis. Dizem os críticos que Machado era "urbano, aristocrata, cosmopolita, reservado e cínico, ignorou questões sociais como a independência do Brasil e a abolição da escravatura. Passou ao longe do nacionalismo, tendo ambientado suas histórias sempre no Rio, como se não houvesse outro lugar. ... A galeria de tipos e personagens que criou revela o autor como um mestre da observação psicológica.  ...  Sua obra divide-se em duas fases, uma romântica e outra parnasiano-realista, quando desenvolveu inconfundível estilo desiludido, sarcástico e amargo. O domínio da linguagem é sutil e o estilo é preciso, reticente. O humor pessimista e a complexidade do pensamento, além da desconfiança na razão (no seu sentido cartesiano e iluminista), fazem com que se afaste de seus contemporâneos."
BIBLIOGRAFIA:
Comédia
Desencantos, 1861.
Tu, só tu, puro amor, 1881.
Poesia
Crisálidas, 1864.
Falenas, 1870.
Americanas, 1875.
Poesias completas, 1901.
Romance
Ressurreição, 1872.
A mão e a luva, 1874.
Helena, 1876.
Iaiá Garcia, 1878.
Memórias Póstumas de Brás Cubas, 1881.
Quincas Borba, 1891.
Dom Casmurro, 1899.
Esaú Jacó, 1904.
Memorial de Aires, 1908.
Conto:
Contos Fluminenses,1870.
Histórias da meia-noite, 1873.
Papéis avulsos, 1882.
Histórias sem data, 1884.
Várias histórias, 1896.
Páginas recolhidas, 1899.
Relíquias de casa velha, 1906.
Teatro
Queda que as mulheres têm para os tolos, 1861
Desencantos, 1861
Hoje avental, amanhã luva, 1861.
O caminho da porta, 1862.
O protocolo, 1862.
Quase ministro, 1863.
Os deuses de casaca, 1865.
Tu, só tu, puro amor, 1881.
Algumas obras póstumas
Crítica, 1910.
Teatro coligido, 1910.
Outras relíquias, 1921.
Correspondência, 1932.
A semana, 1914/1937.
Páginas escolhidas, 1921.
Novas relíquias, 1932.
Crônicas, 1937.
Contos Fluminenses - 2º. volume, 1937.
Crítica literária, 1937.
Crítica teatral, 1937.
Histórias românticas, 1937.
Páginas esquecidas, 1939.
Casa velha, 1944.
Diálogos e reflexões de um relojoeiro, 1956.
Crônicas de Lélio, 1958.
Conto de escola, 2002.
Antologias
Obras completas (31 volumes), 1936.
Contos e crônicas, 1958.
Contos esparsos, 1966.
Contos: Uma Antologia (02 volumes), 1998
Em 1975, a Comissão Machado de Assis, instituída pelo Ministério da Educação e Cultura, organizou e publicou as Edições críticas de obras de Machado de Assis, em 15 volumes.
Seus trabalhos são constantemente republicados, em diversos idiomas, tendo ocorrido a adaptação de alguns textos para o cinema e a televisão.
 
Fonte: www.releituras.com/machadodeassis_bio.asp
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

terça-feira, 24 de julho de 2012

Registro-Futebol

História do Campeonato Brasileiro da Série A
                     GALO, O PRIMEIRO CAMPEÃO BRASILEIRO!



                                          Telê Santana
             Humberto Ramos cruzou para Dadá Maravilha que cabeceou
A primeira edição do Campeonato  Brasileiro foi disputada em 1971 e teve como campeão o Atlético-MG, que tinha no banco o técnico Telê Santana e no ataque Dario, o Dadá Maravilha, artilheiro da competição, com 20 gols.
O primeiro Campeonato Brasileiro não teve uma final, mas um triangular decisivo disputado em turno único e que tinha também São Paulo e Botafogo. Cada equipe jogou uma vez em casa e uma fora e o tricolor paulista acabou vice-campeão, com o alvinegro em terceiro.
Veja os resultados do triangular final:
Atlético-MG 1 x 0 São Paulo
São Paulo 4 x 1 Botafogo
Botafogo 0 x 1 Atlético-MG
 http://www.oragoo.net
Org. e Pesq.: Antonio Barboza

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Você Sabia?


                     Marcelo Ferreira e Torben Grael, ouro em Atenas

O esporte que o Brasil mais ganhou medalhas olímpicas é a vela, responsável  por 16 das 91 medalhas obtidas pelo país na história dos Jogos. A vela é seguida pelo judô (15), atletismo (14), natação (11), vôlei de praia (9), vôlei (7), futebol (6), basquete (5), tiro (3), hipismo (3), boxe (1) e taekwondo (1). Confira a lista com todas as medalhas conquistadas pelo Brasil na vela.
Ouro
2004 – Robert Scheidt (Laser)
2004 – Marcelo Ferreira e Torben Grael (Star)
1996 – Robert Scheidt (Laser)
1996 – Marcelo Ferreira e Torben Grael (Star)
1980 – Eduardo Penido e Marcos Soares (470)
1980 – Alex Welter e Lars Björkström (Tornado)
Prata
2008 – Robert Scheidt e Bruno Prada (Star)
2000 – Robert Scheidt (Laser)
1984 – Daniel Adler, Ronaldo Senfft e Torben Grael (Soling)
Bronze
2008 – Fernanda Oliveira e Isabel Swan (470)
2000 – Marcelo Ferreira e Torben Grael (star)
1996 – Kiko Pelicano e Lars Grael (tornado)
1988 – Nelson Falcão e Torben Grael (star)
1988 – Clínio de Freitas e Lars Grael (tornado)
1976 – Peter Ficker e Reinaldo Conrad (flying dutchman)
1968 – Burkhard Cordes e Reinaldo Conrad (flying dutchman)
Fonte: http://www.oragoo.net
Org. e Pesq.: Antonio Barboza